Bernard Lagat: aos 44 anos sonha com o índice olímpico

10 d julho d 2019 às 6:03 pm

Atleta veterano agora detém todos os recordes Master (+40)dos Estados Unidos

Bernard Lagat na Gold Coast Marathon

O norte-americano Bernard Lagat mostrou neste fim de semana que nunca é tarde para sonhar com algo histórico. Aos 44 anos, e depois de cinco participações consecutivas em Jogos Olímpicos, o veterano atleta ganhou novo alento para tentar uma sexta participação, ao correr a Gold Coast Marathon, na Austrália, num incrível registo de 2:12:10. Um tempo que o coloca no caminho para o acesso aos ‘trials’ olímpicos norte-americanos, mas que lhe dá desde já um novo recorde pessoal na distância (o anterior era de 2:17:20, conseguido em Nova Iorque, no ano passado).

E por falar em recordes, Lagat conseguiu também um absoluto, já que fixou o novo máximo norte-americano da maratona para um atleta Master (mais de 40 anos). Ora, com mais este recorde, o veterano passa a ser detentor de todos os melhores registos nacionais Master dos 1500 metros à maratona:

1500 metros: 3:40.20
Milha: 3:54.91
3000 metros: 7:37.92
2 milhas: 8:17.05
5000 metros: 13:06.78
10000 metros: 27:49.35
Meia maratona: 62:00
Maratona: 2:12:10

E quanto a uma possível presença em Tóquio, Lagat sabe que não será fácil, até porque terá de passar pelos sempre competitivos ‘trials’, mas o seu registo na Austrália dá-lhe desde já a sexta melhor marca entre os atletas elegíveis, apenas atrás de Galen Rupp (2:06:07), Scott Fauble (2:09:09), Jared Ward (2:09:25), Elkanah Kibet (2:11:51) e Tim Ritchie (2:11:55). Um tira-teima para ser feito em fevereiro, em Atlanta, numa prova na qual o veterano entrará com 45 anos.

De notar, por fim, que Lagat fez na Austrália algo que é visto como o objetivo de grande parte dos maratonistas: o split negativo. O veterano fez a primeira metade da prova em 1:06:26 e a segunda em 1:05:44.

Um incrível fair play

Da Gold Coast Marathon ficou também na retina a história partilhada pelo próprio Lagat, que no Instagram revelou ter sido ajudado durante toda a prova por Shin Kimura, um atleta japonês que não conhecia até então… “Quando percebemos que o ‘pace’ não era o que desejávamos, trabalhámos juntos para puxar um pelo outro. Estivemos sempre a motivar-nos e a apoiar-nos, já que corremos praticamente toda a prova juntos. Além disso, houve alguns pontos de abastecimento em que falhei em recolher liquidos e o Kimura partilhou algumas das suas garrafas comigo. É um verdadeiro desportista. Não conhecia antes da prova, mas estou feliz por ter feito um bom amigo desde domingo.”

Fonte: www.record.pt/

Share