Com apenas dois anos de atletismo, João Henrrique já se destaca no sub-18

12 d setembro d 2020 às 12:23 pm

O atleta tocantinense surge como uma das grandes revelações dos 400 m ao vencer o Campeonato Brasileiro Caixa de Porto Alegre e ao terminar 2019 na liderança do ranking sul-americano da categoria, com a marca de 48.00

João Henrrique (603)
(Fernanda Davoglio/CBAt)

João Henrrique Ribeiro Barros surgiu no atletismo nacional só no ano passado, quando venceu os 400 m do Campeonato Brasileiro Caixa Sub-18, em Porto Alegre (RS). Ele começou a treinar em 2018, em Ubatuba (SP), e sua carreira decolou em 2019, quando passou a competir pela Associação dos Servidores Públicos Municipais de Pindamonhangaba (ASPMP), também em São Paulo.

Nascido em Aliança do Tocantins (TO), no dia 3 de fevereiro de 2003, João Henrrique (ganhou um erre a mais no nome por engano do cartório em que foi registrado) foi criado no Maranhão e começou a fazer atletismo quando passou a estudar na Escola Estadual Professora Aurelina Ferreira, em Ubatuba, incentivado pelo professor de educação física Wagner Castro.

Na disputa da fase regional dos Jogos Escolares de São Paulo, em 2018, o treinador Luiz Gustavo Consolino, da ASPMP, viu o garoto em ação, foi procurado pelo professor Wagner para falar do corredor. “Ele me disse que o João era dedicado, esforçado, e que tinha o seu desenvolvimento restrito em Ubatuba, cidade que não tem muitos atletas federados. Conversei com os pais dele e no início do ano passado veio morar em Pindamonhangaba, na Vale do Paraíba, perto do Litoral Norte. Ele mora no alojamento dos atletas”, contou Luiz Gustavo.

João Henrrique no centro do pódio
(Fernanda Davoglio/CBAt)

Para o treinador, o jovem corredor tem muito a evoluir ainda e mostrou grande potencial ao correr os 400 m em 48.00, em seu primeiro ano como sub-18, terminando na liderança dos rankings brasileiro e sul-americano da categoria. “Ele conseguiu um resultado expressivo com pouco tempo de treinamento. Era bem cru, chegou correndo errado nos movimentos de braços e pernas. Não tenho dúvida que vai crescer muito ainda na parte técnica, coisa que se constrói com o passar do tempo”, comentou o técnico.

João Henrrique e o professor Wagner escolheram os 400 m depois de alguns testes na escola. “Me encaixei muito bem na prova porque tem velocidade e exige também resistência”, disse o atleta, que além de campeão brasileiro, ganhou o vice-campeonato estadual sub-18 e a medalha de bronze nos Jogos Escolares Brasileiros, em Timbó (SC). No 4×400 m misto, ajudou a equipe a levar o ouro, já competindo pela Escola Estadual Wilson Pires Cesar, de Pindamonhangaba.

Por causa da pandemia do coronavírus, o atleta passou três meses este ano com a família em Ubatuba e retomou os treinos há dois meses. O objetivo este ano era a Gymnasíade, marcada para a cidade de Jinjiang, na China, que acabou adiada, e o Sul-Americano Sub-18, sem data definida. “Estamos aguardando a definição de datas do Brasileiro e do Sul-Americano. Para 2021, o objetivo é o Mundial Sub-20”, completou João Henrrique, referindo-se à competição que estava marcada para 2020 e foi adiada para o ano que vem.

A Caixa é a Patrocinadora Oficial do Atletismo Brasileiro.

Share